segunda-feira, 25 de junho de 2018

Selfies, espelhos e nós mesmos

Precisamos de selfies e espelhos
Para nos acostumarmos com nós mesmos?
Não é a respeito do que seremos
É sobre o que somos e podemos.
O que indicar às novas gerações?
Seres que pensam, que tiram conclusões
Podemos até ser nós mesmos
E não querer que estejamos à vontade dos céus
Esperar que a chuva caia como prêmio
Lavando o que pode ofender
Graças aos apelos que não nos resolvem
Às rezas que não solucionam ideias
Que nem sempre melhoram os homens.
A humanidade etérea
É eterna
Com seus nós e frestas
Deixam tantas brechas
Pra que possamos mudar
Ações são regras para quem quer enxergar
Somos mulheres, atletas, intelectuais
Sem gêneros, sem pátria certa
Partido ou time que faz brigar
Sem religião ou sem tradição que sufoca
Precisamos nos ver de dentro
Somos homens de um novo tempo
Um outro milênio
Crianças que inventam outras formas de brincar
Adultos e adultas, sem custos ou repletos de contas pra pagar
A imagem do desejo de sonhos que guardam caminhos certos
Que mudam conforme o caminho
O certo inclui o processo e onde se quer chegar
Ruas retas, curvas, ruas de rios ou de mar
Ao clima dos passos, ao bolso agregado
Pés inchados quando o calçado não se adequa.
Hoje, no que pretendemos
Precisamos realmente nos espelhar?
Somos luta, preces em busca
Do que torna válida a real existência
Não há tempo para crises existenciais e nem testes infinitos
O caminho é para os filhos
Que tivemos ou não
Problema para as nações
Herança de gerações.
Pedras gritam nos trilhos impedindo sugestões
São golpes, crenças de que pouco podemos
Dependemos do que não querem
Mas é o que queremos
Ser fortes, poéticos, cientistas da sorte
Estéticos nos pensamentos
Heróis serenos
Indo além do que dói.
Ações se desfazem em selfies de quem controla seu tempo...
O Reflexo mais próximo está longe do que ainda veremos
E vamos um dia nos acostumar com nós mesmos
O espelho é a tela, o discurso está nela
E (nos) mandamos para voar.

Crítica Arde

Quando as pessoas não têm criatividade
A crítica arde
E quando têm
Arde também.

Ausência

Está cedo para falar das dores
Que não são de amores que não pude completar.
A vida traz e leva
Agentes de nosso sol
Sem avisos e prévias
Difícil de tolerar
O fim dos suspiros
Hora de seguir os melhores princípios
Indícios de outra forma de pensar
Sem sedativos
Euforia para alguns sonhos
Esperança de bem-estar.
Lembranças se descobrem com o vento
Escritos no pensamento
Fala sinuosa para interpretar
Outras maneiras de expressão
De passar o tempo
Dos textos que chegam
Mesmo que ainda seja cedo
Para falar das dores
Que estão em pontos cegos
Esperando novos métodos
E vontade de publicar.
Tarefas excessivas às que excedem
Num tempo que falta calibre da alma
E um olhar que dê a volta
Até que a tela se acenda
As palavras decidam conversar
Quem desvenda?
O que se passa fora de cena?
Não é qualquer ausência
Teclas precisam descansar.
Enquanto ideias se inflamam e gritam
Tentando entender o sentido dos planos
Até a calmaria da dor da perda
Ou seria da vida que alterou a presença?
É yoga, é ayurveda...
Redesenhando as lembranças do (s) que amamos
Enquanto renova o que continuamos.